Como a alimentação pode influenciar nossa memória

A memória é influenciada pela interação entre genética e meio ambiente. Assim, fatores ambientais como alimentação, estresse, exposição a alguns xenobióticos (compostos químicos estranhos ao organismo ou ao sistema biológico, ex.: metais pesados) e saúde intestinal podem melhorar ou prejudicar a memória.

Ao aderir hábitos alimentares mais saudáveis as chances de melhorar o desempenho cognitivo e de memória são bem maiores.

Está relacionada com a perda de memória a ingestão de metais pesados como o chumbo (presente em alguns alimentos, água e no ar), do arsênio, cuja exposição ocorre normalmente pela ingestão de água contaminada e do mercúrio (presente em alguns medicamentos, peixes e em produtos odontológicos para obturação de dente entre outros).

Um trabalho verificou que o consumo de alimentos ricos em: zinco, metionina, tiamina, taurina, tirosina, ácido ascórbico e glicina, foram benéficos para prevenir os prejuízos no aprendizado e na memória e para reverter a neurotoxicidade do chumbo.

O consumo de gorduras dietéticas, como as saturadas e do ácido graxo trans tem relação com prejuízos no aprendizado e memória. Estudo com camundongos verificou que o consumo de gorduras trans com glutamato monossódico prejudicou o aprendizado espacial.

A relação entre dieta e funcionamento cerebral já está bem elucidada. Contudo, alguns nutrientes e compostos bioativos parecem ter maior envolvimento na relação da memória e da cognição, entre eles estão:

Colina: presente  nos ovos, germe de trigo, fígado e leite materno, participa juntamente com o folato, presente nas leguminosas e nos vegetais verdes escuros no desenvolvimento do hipocampo, o centro da memória.

Flavonóides: presente nas frutas cítricas, frutas vermelhas, tomate, cebola, alho poro, brócolis, salsa, aipo, soja, chá verde, vinho tinto e no chocolate. Tem ação neuroprotetora no cérebro, protegendo o neurônio contra neurotoxinas, habilidade de suprimir a neuroinflamação e a capacidade de melhorar a memória, aprendizado e cognição.

Taurina: presentes nas fontes de proteínas animais, apresenta efeito neuroprotetor, desempenhando papel importante no aprendizado e memória.

L-Teanina e Cafeína: melhoram o desenvolvimento cognitivo e a atenção. A cafeína além do seu efeito de despertar, melhora a atenção, vigilância e a atenção seletiva. Já a L-Teanina encontrada quase que exclusivamente nas folhas de alguns chás melhoram a concentração. É importante enfatizar que o consumo indiscriminado de cafeína pode aumentar a irritação gástrica, levando algumas pessoas ao desenvolvimento de gastrites.

Ácidos graxos ômega 3: vem sendo amplamente estudado devido aos seus efeitos na cognição, especialmente o DHA, ou docosahexaenóico. Estão presentes em alguns peixes (principalmente os de águas frias), nas oleaginosas (nozes e castanhas), entre outros.

Se valer de uma alimentação variada com alimentos saudáveis é de suma importância. Vale ressaltar que essas mudanças no estilo de vida devem ocorrer o quanto antes, se possível, desde a vida intrauterina, uma vez que a formação de centros importantes para a memória e cognição são formados nesse período.

Deixe um comentário

Navigate